Vai viajar para Portugal? Confira nossas dicas para uma viagem inesquecível!

Está planejando viajar para Portugal e conhecer o além-mar? Então, prepare-se! O país, tradicional, histórico e repleto de cultura, guarda uma série de surpresas que prometem tornar sua viagem inesquecível.

Bons vinhos, gastronomia de alta qualidade, arquitetura histórica e riquezas naturais de tirar o fôlego: quem viaja para o país lusitano e desfruta destas qualidades, certamente volta com a mala cheia de histórias para contar.

Se vai viajar para Portugal e está buscando mais informações sobre o destino, está no lugar certo! Este post foi feito especialmente para você. Boa leitura!

Como chegar a Portugal?

Viajar do Brasil para Portugal é possível graças a uma série de companhias aéreas. O trajeto é realizado por pelo menos 9 empresas, incluindo aquelas que já oferecem voos diretos, sem escalas ou conexões, como a TAP Air.

Uma dica importante para quem vai viajar de avião é saber quando comprar a passagem: existem diversos fatores que influenciam na oscilação dos preços das passagens. Por isso, leve em conta a época do ano, a antecedência do passeio, tarifas promocionais e melhores horários para fazer sua compra e garantir valores interessantes! 

Quais os documentos essenciais para viajar para Portugal?

Para viajar para Portugal, é fundamental carregar com você o passaporte com validade em dia! Este é o documento mais importante para quem cruza fronteiras entre países, e equivale à sua identidade fora do Brasil.

Turistas brasileiros podem ficar em território europeu por até 3 meses sem precisar de um visto específico, então, não se preocupe com isso.

Em contrapartida, uma das mais importantes dicas para fazer sua viagem internacional com segurança é contratar um seguro-viagem. Além de ser uma das obrigações do turista para entrar em Portugal, os serviços (que variam de acordo com a cobertura contratada) garantem atendimento médico e algumas comodidades, como indenização por extravio de bagagem, danos à mala e até mesmo por atrasos e inconvenientes no voo.

Qual a melhor época para visitar Portugal?

Este é um dilema comum a todos que decidem viajar para Portugal ou outros destinos: definir qual a melhor época para fazer o passeio.

Portugal está localizado no Hemisfério Norte do planeta. Por isso, suas estações do ano são diferentes das nossas. Lá, o verão tem início em junho e é quando o país recebe mais turistas. Por ser um destino com belas praias e parques, viajar para lá em estações de temperatura estável e céu azul pode ser uma boa opção!

Em contrapartida, para quem curte um friozinho e uma temperatura mais amena, os meses de outono também têm seu charme.

Um dado interessante é que, apesar de ser um destino europeu, Portugal é um país sem neve no inverno. Quem viaja para lá esperando ver a cidade coberta deve direcionar o roteiro para a Serra da Estrela, ao Norte do país. Esta é a única região em que é possível aproveitar a nevasca, com direito a criar bonecos de neve e praticar esportes típicos, como esqui e snowboard.

O que não pode ficar de fora de uma viagem a Portugal

Se você já decidiu qual a melhor época para viajar para Portugal, é hora de começar a montar seu roteiro! As opções são muitas, e vale a pena articular um passeio em que seja possível conhecer várias cidades.

Lugares

As duas maiores cidades de Portugal, são, também, as mais populares entre os turistas. Conhecer a capital Lisboa e a “invicta” Porto é uma boa dica para quem vai viajar para Portugal. O acesso entre as duas cidades, que distam 313 km uma da outra, pode ser feito de carro, trem ou ônibus.

Os extremos do país também têm muita história para contar. Se seu destino é ao Norte, não deixe de conhecer a Serra da Estrela (que mencionamos logo acima!) e as belíssimas cidades medievais Guimarães, Soajo, Braga e Lamego. Os amantes de um bom vinho não podem deixar de visitar a região do Douro, famosa por suas vinícolas de grande extensão.

Ao Sul do país, estão praias de tirar o fôlego. A região do Algarve é famosa por suas paisagens e encantos naturais. Se está de malas prontas para Lisboa e região, não deixe de incluir esta dica no roteiro!

Comidas

Certamente, a temática gastronômica portuguesa rende um post quilométrico! A culinária de Portugal é famosa por sua fartura e pela riqueza de ingredientes e temperos.

Quem opta por viajar para Portugal não pode deixar de experimentar:

  • os pasteizinhos de nata (em Belém, conhecidos como pastéis de Belém);
  • os diversos preparos do bacalhau e da sardinha o choco frito (espécie de polvo empanado);
  • as alheiras (semelhantes a linguiças);
  • as francesinhas (muito populares na região norte do país, são uma espécie de misto quente incrementado com diversas carnes e um molho picante por cima);
  • os arrozes de tomate e pato;
  • pão-de-ló;
  • as tripas à moda (semelhante à feijoada, mas feitas com feijão branco, miúdos e legumes).

Como economizar para viajar para Portugal? 

Já deu para ver que, para viajar para Portugal é preciso fazer um bom planejamento financeiro, certo?

Dizer quanto custa uma viagem é complicado, uma vez que isso depende diretamente do perfil de passeio desejado. Se for viajar com crianças, por exemplo, o custo será um. Se a viagem for em um grupo de amigos, será outra. Se o objetivo é conhecer lugares e viver experiências, os custos serão X, mas se o foco é descansar e não ter rotinas e compromissos, o valor passa a ser Y.

O que não muda é a necessidade de organização das economias para garantir uma viagem tranquila.

Pensando nisso, preparamos algumas dicas que podem te ajudar a se planejar para viajar para Portugal:

Se viajar para Portugal está em suas metas, comece já a se preparar para tirar os planos do papel! Com uma boa organização e atenção aos detalhes, é possível construir um roteiro totalmente adequado aos seus objetivos.

A Mooba trabalha em parceria com diversas marcas e empresas incríveis e pode te ajudar a realizar vários sonhos, incluindo o de viajar para Portugal. Se você se interessou pela possibilidade de ganhar dinheiro a cada compra com o cashback, cadastre-se na Mooba e comece já a poupar!

6 praias mais bonitas do Brasil para você viajar nas férias

Nosso país é verdadeiramente tropical e bonito por natureza, afinal temos a maior biodiversidade do mundo e um litoral com 7,3 mil quilômetros de extensão. De Norte a Sul, as praias atendem a todos os gostos e estilos: urbanas, selvagens, desertas, naturistas, badaladas, de ilhas e de rio.

Além da contemplação, elas costumam ser muito procuradas para a prática de esportes e atividades de lazer, como mergulho autônomo, stand-up, snorkel, surf e kitesurf. Por esses e outros motivos, atraem visitantes durante o ano inteiro.

A seguir, confira nossa lista com as praias mais bonitas do Brasil e conheça destinos incríveis!

1. Baía do Sancho — Fernando de Noronha (PE)

Quem nunca sonhou em visitar a paradisíaca Ilha de Fernando de Noronha, em Pernambuco? Entre morros, mirantes, trilhas, riqueza marinha e esportes de aventura, é praticamente impossível não ter as férias dos sonhos. Agora imagine tudo isso cercado por águas cristalinas e brilhantes, em tons azulados e esverdeados. Esse é o cenário da Baía do Sancho, eleita uma das praias mais bonitas do mundo.

O local é acessível tanto por terra quanto por mar, de onde é possível avistar tartarugas e golfinhos. A transparência e a temperatura da água são ótimas para banho e a prática do mergulho, pois há excelente visibilidade. Para chegar lá, basta pegar um voo partindo de Recife (PE) ou Natal (RN).

2. Maracajaú — Maxaranguape (RN)

Você sabia que existe um “Caribe” dentro do Rio Grande do Norte? Sim, trata-se de um local chamado Parrachos de Maracajaú. Ele fica no litoral norte do estado, a apenas 60 km de distância da capital. Seus principais atrativos são as águas transparentes, que permitem a visualização da fauna e da flora oceânica. Para isso, o visitante pode escolher entre o mergulho com snorkel durante a maré baixa ou o mergulho autônomo.

Sem dúvidas, é um destino que agrada a todos os públicos, de crianças a adultos. As piscinas naturais são tão exuberantes que você não vai mais querer ir embora. Prepare-se para tirar fotos maravilhosas!

3. Jericoacoara — Jijoca (CE)

Jeri, como é carinhosamente chamada, tem como principais características a beleza, a tranquilidade e o estilo rústico. As ruas do vilarejo são de areia e não há iluminação pública: a luz vem de dentro das casas e dos comércios, o que torna o lugar ainda mais aconchegante. A mistura entre nativos e estrangeiros promove um grande intercâmbio cultural e até favorece a prática de idiomas, embora seja um destino nacional.

As belezas naturais das praias, dunas, lagoas e formações rochosas dão um ar paradisíaco ao local. Os passeios mais famosos incluem a Lagoa do Paraíso, a trilha da Pedra Furada, o Buraco Azul e a Árvore da Preguiça. Mas vale lembrar que, como se trata de um Parque Nacional, é preciso atentar às regras de uso público.

Com a chegada do aeroporto ao município de Cruz, a 30 km de distância de Jeri, a região está mais acessível. Lá, você vai experimentar a vida simples e o contato com a natureza, que incentiva atividades como passeio de cavalo, buggy ou quadriciclo, bem como às praias vizinhas de Preá, Guriú e Tatajuba.

Para relaxar, todos os dias há um belíssimo pôr do sol visto das dunas, que desce sobre o mar. Já para se divertir à noite, existem várias opções de festas, incluindo estilos que vão do forró e do samba ao reggae e aos DJs.

4. Praia do Forno — Arraial do Cabo (RJ)

Que tal uma praia com mar de cor verde-esmeralda, cercado por uma exuberante vegetação e animais marinhos, como tartarugas? Tudo isso você vai encontrar na Praia do Forno, que fica ao lado do Porto de Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro. O lugar é acessível tanto de barco quanto por trilha (20 minutos). Os dois percursos têm vistas fantásticas, então aproveite para conhecê-los e fazer fotos incríveis!

Para chegar à cidade, o visitante pode escolher entre um voo ao aeroporto mais próximo, em Cabo Frio (10 km de distância), os ônibus intermunicipais e as vans.

5. Praia do Farol — Arraial do Cabo (RJ)

Localizada em uma Reserva Extrativista Marinha, a Praia do Farol é considerada a mais perfeita do Brasil. Não é para menos, pois ela tem uma localização privilegiada, rodeada por formações rochosas, com árvore centenária e areia branquinha e fininha, além dos recifes de corais e das centenas de cardumes que encantam os visitantes. O mar traz uma coloração azul tão brilhante que nem parece de verdade.

A Praia do Farol faz parte de uma ilha homônima, no município de Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro. Para acessá-la, é preciso pegar uma embarcação no Porto do Forno. Como a área é controlada pela Marinha do Brasil, o tempo de permanência se limita a 30 minutos e é extremamente proibido desembarcar com qualquer tipo de plástico ou embalagem de alimentos.

O passeio normalmente contempla a Fenda de Nossa Senhora da Conceição e a Gruta Azul. A água é gelada, mas vale a pena fazer o mergulho com snorkel e nadar junto aos peixinhos!

6. Praia de Carneiros — Tamandaré (PE)

O litoral sul de Pernambuco é conhecido por suas águas claras e mornas, além dos arrecifes que formam piscinas naturais durante a maré baixa. Outro grande marco é a Capela de São Benedito, localizada na beira da praia. Como o nível de água costuma ser baixo, trata-se de um lugar tranquilo para levar crianças.

Para chegar ao local, basta contratar uma agência de turismo ou ir de carro até o Píer de Guadalupe. De lá, o visitante contrata um barco para levá-lo até a praia. O passeio fica ainda mais completo se incluir a visita à Praia de Guadalupe, onde os turistas passam argila no corpo, uma parada no banco de areia e uma volta no mangue e no rio Ariquindá.

Como você viu, as praias mais bonitas do Brasil são excelentes destinos para suas próximas férias. Seja sozinho, em casal, com a família ou os amigos, esses lugares são ideais para o descanso e o lazer. Além da beleza natural, conhecer culturas e gastronomias locais torna a experiência ainda mais enriquecedora. Não perca tempo e programe já sua viagem!

Gostou do conteúdo? Então, compartilhe-o com seus amigos nas redes sociais!

Quais cuidados devo tomar ao alugar carros para viajar?

Alugar carros para viajar está ficando cada vez mais fácil, porém requer alguns cuidados para que se tenha uma boa viagem. Muitas facilidades são oferecidas, e existem veículos para todos os gostos e exigências.

Leve em conta que, enquanto para alguns determinados serviços podem não ser necessários, para outros são simplesmente indispensáveis. Assim, verifique sempre as suas necessidades e todas as previsões do contrato de locação.

Continue a leitura e conheça os principais cuidados quando alugar carros para viajar.

Averigue como a cobrança é feita 

De modo geral, a quilometragem já vem incluída na franquia da locação. Isso significa que você não será cobrado em função de quanto se deslocar com o veículo se o sistema for esse. Essa facilidade geralmente é bem melhor, pois você pode optar por vários destinos.

A cobrança também pode ser feita tomando por base os dias de utilização do veículo. Portanto, certifique-se do mecanismo adotado na locadora, mas considere que quanto mais tempo em locação, menor o custo por dia.

Por sua vez, é importante fazer uma pesquisa prévia comparando sistemas de locação, custos e possibilidades de personalização. Com isso, já se pode dispor de uma boa referência para a contratação do que for mais adequado às necessidades e ao perfil de cada um.

Avalie a categoria do carro

Cada veículo oferece facilidades e diferentes condições de conforto em razão do modelo — e isso quase sempre se reflete nos custos. Para esse fim, de modo geral, os carros são agrupados em categorias que variam da básica àquelas consideradas premium.

Assim, um dos aspectos que devem ser considerados na hora da locação é a categoria em que o veículo está enquadrado. Veículos populares costumam ser mais baratos, e as diferenças podem ser significativas. No entanto, no caso de viagem com muita bagagem, é preciso considerar o espaço interno.

Tenha em mente que o carro mais barato nem sempre resultará em economia de fato, sobretudo em viagens mais longas. Leve em conta, nesses casos, a importância do conforto durante os deslocamentos.

Verifique a presença de adicionais no carro

As locadoras costumam oferecer serviços adicionais que facilitam a experiência de viajar e podem ser úteis em diversas situações. Cabe verificar as disponibilidades e aquilo que poderia ser necessário na experiência de cada um.

Nesse sentido, é comum a oferta de adicionais relacionados aos veículos em locação como:

  • cadeirinha para bebê;
  • veículo conectado e GPS;
  • bagageiro;
  • motorista adicional;
  • carro de luxo.

Confira se o seguro está incluso

No Brasil, o mais comum é o pagamento de uma taxa que isenta o locatário da responsabilidade na ocorrência de um sinistro. Logo, pode não se tratar da contratação de um seguro propriamente.

De todo modo, o cliente está protegido. Contudo, no momento da locação, resta verificar as coberturas que estão garantidas na eventualidade de envolvimento em um sinistro.

Contratando um seguro ou acertando uma taxa com a locadora, considere a importância de estar protegido contra furto, roubo e colisão. Se possível, inclua proteção contra terceiros que comumente depende de opção.

Confirme onde o veículo pode ser devolvido

O local de devolução do veículo no destino de sua viagem pode ser estratégico se, por exemplo, você se deslocou até o aeroporto de alguma cidade para pegar um voo. Devolver o carro no próprio aeroporto seria de toda conveniência.

Qualquer que seja a sua necessidade, consulte antes a locadora para saber das possibilidades disponíveis. Muitas vezes, um custo a mais para deixar o carro mais próximo do seu destino pode ser bem melhor.

Com esses cuidados ao alugar carros para viajar você poderá aproveitar melhor os atrativos da viagem enquanto desfruta do conforto e das facilidades pelos quais tiver optado.

Se gostou deste post, compartilhe com seus amigos nas suas redes sociais e permita que eles também aproveitem.

Quais as diferenças entre os tipos de garantias legal, contratual e estendida?

A garantia é um ponto importantíssimo para a defesa dos direitos do consumidor, pois assegura a proteção dessa parte envolvida no processo jurídico. Afinal, o cliente é o lado mais vulnerável na relação empresa-comprador. O que muita gente não sabe é que existem diferentes tipos de garantias, a exemplo da legal, da contratual e da estendida.

Você conhece as características, vantagens e desvantagens de cada uma? Pois bem, vamos descobrir tudo isso e muito mais ao longo deste artigo. Então, não perca tempo e continue a leitura agora mesmo!

Qual é a importância da garantia para o consumidor?

Trata-se de uma dúvida muito importante, que abre espaço para uma análise mais aprofundada do papel da garantia para assegurar os direitos previstos no Código do Consumidor. A defesa do cliente é uma grande conquista, que remonta aos princípios de igualdade propostos pela Revolução Francesa ocorrida em 1789.

Aqui, porém, o campo de igualdade é tomado como base nas relações econômicas envolvidas no processo — e não somente nas sociais. Por isso, a garantia efetiva o direito do consumidor de se proteger contra vícios ocultos nos produtos, defeitos de fabricação ou inconformidades. Tudo isso passa a ser efetivado no Brasil por meio da constituição do Código de Defesa do Consumidor, em 1990.

A garantia é fundamental para permitir a aquisição de produtos de boa qualidade e que atendam às expectativas dos clientes. Afinal, o marketing feito por um produto ou serviço deve ser condizente com suas potencialidades.

Quais são as diferenças entre os tipos de garantias?

Em primeiro lugar, há a garantia legal estabelecida pelo CDC (Código de Defesa do Consumidor), que independe de previsão em contrato. Nesse caso, você tem 30 dias para reclamar de problemas com o produto quando não se tratar de um bem durável, a exemplo dos alimentos.

Já no outro caso, há 90 dias para itens duráveis, como uma geladeira. É importante lembrar que o prazo para a garantia começa a ser contado a partir do recebimento do produto, entretanto existe uma outra situação em que as pessoas não conseguem detectar o problema a olho nu ou rapidamente.

Estamos falando dos casos de vício oculto, ou seja, um defeito que só aparece depois de certo tempo de uso do item. Nessas circunstâncias, o prazo da garantia legal passa a ser contado do momento em que o defeito é identificado.

Garantia contratual

A garantia contratual é outra modalidade que está em crescimento constante no mercado brasileiro. Há a escrita, por meio de um contrato, dos termos previamente definidos entre a contratada e o contratante. Um detalhe muito interessante desse modelo é que em algumas situações a fornecedora pode ofertar apenas um garantia parcial, desde que sejam previamente definidos os termos e limites do serviço.

No campo legal, o Código de Defesa do Consumidor estabelece que a garantia contratual é complementar à legal. Dessa forma, trata-se muito mais de um aditivo somado à garantia legal do que um modelo único.

Também é importante ficar atento quanto aos prazos da garantia contratual. Para os produtos duráveis (eletroeletrônicos ), ela é geralmente de nove meses ou um ano. Mas, se for de nove meses, o cliente tem um ano para acionar o serviço em caso de defeitos — isso se deve à soma dos três meses da garantia legal com os nove meses da contratual.

Garantia estendida

Por fim, temos mais um dos tipos de garantia: a estendida. A modalidade geralmente é oferecida pelas lojas como uma “supergarantia”, sendo contratada de forma à parte. A oferta de tal modalidade ocorre por uma outra empresa, que não é a fabricante — geralmente, são seguradoras especialistas nesse nicho de atuação. Trata-se de nada mais do que um seguro contra defeitos do produto. Muitas lojas varejistas passaram a oferecer esse tipo de garantia durante a própria venda do item.

Nesse modelo, a fabricante (ou o fornecedor) acrescenta a seu produto de livre e espontânea vontade uma extensão do prazo da garantia. As condições são bastante diferentes, sendo que muitas empresas disponibilizam o processo de forma gratuita ao consumidor. Mas já existem outros comércios que cobram valores pelo aumento do prazo.

Você sabia que, dentro desse tipo de seguro, ainda existem variações? Pois bem:

  • o original corresponde a uma cobertura semelhante ao seguro contratual oferecido pelo fabricante, só que são incluídas algumas vantagens, a exemplo da troca imediata do produto;
  • outra variação é a ampliada, que corresponde ao tempo somado à garantia original;
  • além de todas as modalidades acima, há ainda a diferenciada, na qual existem alguns benefícios, porém o tempo de seguro é menor do que na estendida original — fique atento a esse ponto!

Que cuidados é preciso tomar?

É preciso sempre ler a apólice antes de contratar qualquer tipo de seguro. Lá estão todas as informações importantes, sobre as quais você precisa ter ciência para fazer valer seus direitos. Além disso, não se esqueça de que a garantia é uma obrigatoriedade do fornecedor, então geralmente não é muito interessante realizar contratações estendidas (salvo em certas exceções).

Verifique com bastante cuidado as vantagens dispostas na apólice. A partir dessa análise criteriosa, identifique se compensa realmente a contratação de um serviço adicional. Uma dica muito válida é dar sempre uma lida no Código do Consumidor para ficar informado quanto a todos os seus direitos e evitar problemas futuros.

Existem diferentes tipos de garantias, sendo que cada um traz detalhes específicos, vantagens e desvantagens. O ponto fundamental é ter em mente que o fornecedor é responsável por garantir esse direito constitucional e proteger o cliente de produtos defeituosos, que não sejam condizentes com o divulgado ou tenham vícios ocultos.

Já pensou em comprar um item e ter parte do valor devolvido a você de forma profissional, sem dores de cabeça? Isso já é uma realidade no modelo chamado cashback. Diversas varejistas adotaram esse tipo de programa de recompensas, sendo que a Mooba é uma das maiores empresas de cashback do país.

Lojas como Centauro, Netshoes, Wine, Youcom e Ricardo Eletro já são parceiras da Mooba. Aproveite agora mesmo as vantagens do cashback com a parceria que oferecemos. Entre em contato conosco e não perca mais oportunidades!

Confira 7 dicas essenciais de como economizar no mercado

Embora muito se fale sobre a queda da inflação, nos dias de hoje, os gastos com alimentação e afins continuam pesando no orçamento de todo brasileiro, não é mesmo?

Por isso, economizar no mercado é uma questão de sobrevivência. Sabemos que uma das dicas mais eficazes é pesquisar preços, contudo há muitas outras atitudes que é possível tomar para não aumentar as despesas.

Conheça a seguir 7 dicas para economizar no mercado e fazer seu dinheiro valer mais!

1.Evite fazer compras com fome ou pressa

As pessoas que vão ao mercado com fome tem tendência de adquirir itens desnecessários, uma vez que estão com vontade de consumi-los naquela hora. Desse modo, você gasta mais do que deveria, fugindo daquilo que foi planejado antes de sair de casa.

A mesma dica vale para quem está com pressa, pois você acaba não pesquisando os preços e, consequentemente, levando produtos que não precisa no momento.

2.Não leve as crianças

Além de tornarem as compras mais difícil, as crianças costumam pedir itens desnecessários, como salgadinhos, doces, sorvetes, entre outras guloseimas. Portanto, evite levá-las junto com você quando for ao mercado para que elas não caiam em tentação. Aproveite a hora em que estão na escola ou deixe-as na casa dos avós, por exemplo.

3.Faça uma lista de compras

Elaborar uma lista de compras previamente com os produtos que você precisa ter em casa é outra dica de como economizar no mercado. No entanto, é necessário segui-la com disciplina e rigor, a fim de que não se gaste com supérfluos

Lembre-se que um bom planejamento evita desperdícios, como comprar produtos repetido, por impulso ou ainda em quantidades maiores do que realmente precisa!

4.Cheque a validade

É normal que os produtos próximos a data de vencimento fiquem na parte da frente das gôndolas e prateleiras. Entretanto, se for levar ima quantidade maior ou demorar muito tempo para consumir, escolha prazos de validade maiores.

Alguns supermercados oferecem descontos em produtos próximos ao vencimento. Mas, apenas adquira-os caso você pretenda consumi-los logo.

5.Monte um cardápio

Não importa a frequência com que você vai ao mercado, se quiser mesmo aprender como economizar no mercado é importante criar o hábito de sempre levar com você uma lista do que vai precisar para o cardápio da semana Assim, você evita o desperdício e compra apenas o que é, realmente, necessário.

5.Acompanhe as promoções

Você não deve deixar de acompanhar as promoções dos principais estabelecimentos. Antes de sair de casa, pesquise os preços praticados pelos mercados em que tem o hábito de comprar e opte pelos produtos mais baratos. Algumas vezes, compensa mais levar carnes de determinada loja e produtos de limpeza de outra, por exemplo!

7.Utilize o sistema cashback

Cashback, basicamente, é um serviço em que determinada porcentagem sobre compras é devolvida ao usuário. Ou seja, todas as compras que você fizer em determinada loja vai apresentar uma porcentagem de retorno.

Logo, a dica é procurar pelos estabelecimentos que já trabalhem com esse tipo de sistema, a fim de otimizarem a economia de seus clientes.

Agora que você já sabe as dicas de como economizar no mercado, não deixe de programar as próximas compras. Assim sendo, é possível gastar menos dinheiro e ainda ter mais tempo para as outras atividades semanais!

Entre em contato com a Mooba, saiba mais sobre o sistema cashback e otimize suas próximas compras!

Ambientes integrados: o que são e 5 dicas para decorá-los!

A ideia de integrar espaços é uma tendência quando se fala em construir ou reformar casas e apartamentos. A principal função dos ambientes integrados, além da praticidade, é a sensação de amplitude que o conceito revela tanto aos projetos arquitetônicos quanto aos de interiores.

Porém, antes de optar por esse tipo de projeto, é necessário fazer um bom planejamento, baseado no dia a dia e nas prioridades de cada cliente, a fim de realizar as melhores disposições para o mobiliário, assim como reorganizar de modo adequado a decoração.

Então, se você planeja morar em um ambiente integrado, continue a leitura e confira 5 dicas de como decorá-lo da melhor maneira!

O que são ambientes integrados?

O conceito de morar é bem diferente nos dias de hoje. As pessoas têm optado por espaços mais abertos e integrados, pois elas desejam passar mais tempo juntas e, consequentemente, não se importam em dividir ambientes.

Em vista disso, não somente a arquitetura, mas também o design de interiores precisaram se ajustar ao novo conceito, criando setores decorados que pudessem ser compartilhadas por todos que habitam no mesmo local.

Como decorar ambientes decorados?

Agora você vai descobrir como decorar os ambientes integrados para permitir que o espaço se torne mais harmonioso e agradável de viver!

1.Pisos iguais

Apesar de ter vários cômodos em um único espaço, a ideia de colocar pisos diferentes para separar cada área da casa não é uma boa aposta!

Assim sendo, a dica é dispor tapetes para demarcar os ambientes, escolhendo acabamentos que casem a cozinha com a sala, por exemplo.

2.Pouca abertura

É contraditório, mas aberturas muito grandes podem “detonar” a arquitetura de um local. Logo, os ambientes com pouca abertura tendem a promover conexão e, ao mesmo tempo, garantir a privacidade em áreas mais íntimas, como as destinadas para a leitura.

3.Boa circulação

Uma das vantagens de conceitos abertos é o equilíbrio, uma vez que a circulação deve ser otimizada com o propósito de dar mais fluidez ao ambiente.

Então, deixe os corredores livres, que podem ser formados pelo posicionamento dos móveis, sem que haja necessidade de uma demarcação direta.

4.Iluminação correta

Sabemos que a iluminação ruim é a assombração da maioria dos espaços. Isso se deve ao fato de que em locais abertos, os efeitos de luz e sombra costumam expor e esconder áreas de convívio ou aquelas mais intimistas.

Desse modo, opte por luminárias decorativas que criam um senso mais aconchegante e são perfeitas para delimitar espaços pequenos em um contexto aberto.

5.Cobogó vazado

O cobogó é de origem pernambucana e foi desenvolvido para permitir mais ventilação e luminosidade no local. Ele consiste em um bloco vazado feito de materiais, tais quais: madeira, metal, mármore, vidro, cerâmica, plástico, resina ou concreto.

Logo, você pode apostar nesse recurso para valorizar as áreas da casa, ao mesmo tempo que faz bom uso do espaço. É possível encontrar o bloco em várias cores e tamanhos para harmonizar com o restante dos móveis.

Além dessas dicas, você também pode acompanhar outras tendências de decoração para ambientes integrados e criar o lar dos seus sonhos. Afinal, viver bem significa ter qualidade de vida, não é mesmo?

Gostou do post? Então, deixe um comentário com sua opinião sobre os ambientes integrados e informações sobre decoração. Vai ser uma prazer ouvir sua opinião!

7 livros da Darkside para você adicionar à sua lista de leitura

Estar acompanhado de um livro interessante é sempre bom, não acha? Para os mais corajosos, encarar aquela leitura de deixar os pelos dos braços arrepiados e ficar com frio na barriga é melhor ainda. Por isso, quem está à procura de tal tipo de obra precisa conhecer a editora Darkside.

A proposta da empresa, que tem pouco mais de cinco anos de mercado, é levar ao leitor tanto os clássicos da literatura sobrenatural e de horror quanto novos autores, que estão despontando no gênero. Todas essas edições prezam pelo projeto gráfico e acabamento, que são sempre de primeira qualidade.

Quer conhecer mais sobre os livros da Darkside, mas não sabe por onde começar? Então, confira uma lista com boas recomendações de leituras publicadas pela editora.

1. Frankenstein

O primeiro livro da lista é um clássico: Frankenstein, publicado pela inglesa Mary Shelley. Com o tempo, a obra se tornou um marco tanto da literatura de horror quanto da ficção científica, influenciando muito do que seria produzido em ambos os gêneros nos anos seguintes.

Você já deve ter se deparado com a história do livro. Ao longo das páginas, acompanhamos o jovem estudante de ciências naturais Victor Frankenstein, que dedica sua vida a conduzir experiências na busca por gerar formas de vida artificiais, criando uma criatura disforme e assustadora.

A edição da Darkside, que celebra os 200 anos da obra, conta com nova tradução, capa dura e ilustrações caprichadas. Além disso, o livro é impresso em duas cores — preto e vermelho sangue.

2. Os Goonies

Do século XIX, vamos para a década de 80 do século XX, palco de Os Goonies. Se você ama histórias de crianças reunidas para resolver mistérios com ares de sessão da tarde e cheirinho de nostalgia, trata-se do livro ideal.

O livro do autor James Kahn é uma adaptação direta e fiel do roteiro do filme de 1985, no qual um grupo de amigos encontra um mapa do tesouro no sótão e sai em busca dele. A obra é narrada em primeira pessoa por uma das crianças, dando maior destaque e aprofundando algumas relações que foram deixadas um pouco de lado no cinema.

3. Candyman

Candyman talvez seja mais conhecido pelo filme dos anos 90, com o título de O mistério de Candyman. Nele, o fantasma de um escravo morto sob tortura no século XIX volta sempre que seu nome é pronunciado cinco vezes na frente de um espelho, aterrorizando suas vítimas com uma mão de gancho e várias abelhas.

No livro da Darkside, o leitor entra em contato com o material que deu origem ao filme. Dessa forma, é possível encontrar as diferenças existentes entre as obras — os mais atentos vão perceber que são muitas.

A edição da Darkside é exclusiva no mundo todo e conta com a aprovação direta do próprio autor. Clive Barker também aprovou o trabalho da editora feito com outras de suas obras, como Hellraiser e Evangelho de Sangue.

4. Alice no País das Maravilhas

Alice no País das Maravilhas é mais um clássico publicado pela Darkside que merece lugar na nossa lista de livros da editora e em sua cabeceira — se é que você já não conhece, não é mesmo?

Mesmo que nunca tenham lido a obra de Lewis Carroll, as pessoas já estão familiarizadas com a história de Alice graças às inúmeras adaptações para outras mídias. A garota cai em uma toca de coelho e é levada a uma espécie de dimensão paralela, cheia de criaturas das mais absurdas e situações surreais, que chegam a ser parecidas com um sonho.

Com ares de literatura infantil, Alice no País das Maravilhas não agrada somente aos pequenos — ainda mais na edição da Darkside, que conta com capa dura, nova tradução e ilustrações exclusivas, que certamente darão um toque extra de beleza na sua estante depois da leitura.

5. O que terá acontecido a Baby Jane

O que terá acontecido a Baby Jane é outro clássico conhecido principalmente pelo filme que inspirou, mas tem como base o livro que se tornou um dos clássicos da literatura de terror.

Fora de catálogo por muito tempo, a obra conta a história de duas irmãs que fizeram sucesso em um passado longínquo e agora habitam de forma isolada uma mansão. Com o tempo, a busca pelo passado das duas se transforma numa angústia que coloca em risco a vida e a sanidade das duas.

O livro de Henry Farrel, publicado em capa dura pela Darkside, traz junto ao romance três outros contos assustadores do autor.

6. A Criatura

Depois de alguns clássicos, um autor da nova geração que, apesar disso, não se afasta do melhor que já foi publicado quanto o assunto é terror. Dessa forma, A Criatura busca inspirações em autores do passado para constituir uma narrativa que os homenageia e acrescenta novas dimensões ao horror (capaz de estar em qualquer luga)r.

No livro, uma psiquiatra forense precisa elaborar o relatório de sanidade de um perigoso criminoso, que teve sua mãe morta de forma brutal quando tinha seis anos. O episódio dá início a uma investigação que faz o leitor não desgrudar da obra até o final.

A edição da Darkside, além do belo acabamento e da qualidade característica da editora, traz também três cards com ilustrações.

7. Black Hole

A Darkside publica inclusive histórias em quadrinho do gênero de terror. Entre as principais obras do estilo publicadas pela editora, está Black Hole, do quadrinista norte-americano Charles Burns, que já foi amplamente premiado por sua produção.

Black Hole se passa em uma cidade norte-americana do interior e conta a história de uma praga que se alastra por meio de contato sexual. A doença atinge vários jovens, se manifestando de formas diferentes em cada um deles e transformando-se no terror para os moradores daquela localidade.

Agora que você conhece os melhores livros da Darkside e não vê a hora de mergulhar nas histórias de terror mais assustadoras, que tal economizar na hora de levar seus exemplares para casa? Compre online e aproveite o cashback disponibilizado pela Mooba, assim parte do dinheiro gasto é devolvido para você!

Quer entender melhor como esse processo funciona? Acesse nosso site e confira todos os detalhes.

Comprar sapatos online: o que eu preciso saber sobre o assunto?

Adquirir produtos incríveis sem sair de casa parece um sonho, não é mesmo? Praticidade, conforto e autonomia são alguns dos diferenciais de quem se interessa por comprar sapatos online.

A modalidade de compra virou queridinha de muitos brasileiros: a pesquisa da NZN Intelligence, divulgada pelo portal Ecommerce Brasil em março de 2019, revelou que as compras online já são a preferência de 74% dos consumidores.

Se você tem interesse em comprar sapatos online, mas não sabe exatamente como a prática funciona, não se preocupe! Neste artigo, vamos ensinar as dicas fundamentais para adquirir os produtos sem dores de cabeça!

Vale a pena comprar sapatos online?

Nossa resposta a essa pergunta é uma só: vale, sim, a pena comprar sapatos online, desde que você saiba como fazê-lo.

Assim como comprar roupas online, os sapatos também exigem uma atenção especial do cliente. Variáveis como numeração, forma e material de fabricação são extremamente relevantes e podem determinar, inclusive, sua satisfação ao receber o produto em casa.

Diferente de comprar um serviço, como uma viagem, ou um jantar em restaurante, a aquisição de um produto demanda atenção aos pequenos detalhes. Do contrário, a chance de viver o tão falado “barato que sai caro” é grande.

O que levar em consideração antes da compra?

Para te ajudar a se proteger de possíveis inconvenientes, preparamos uma lista com alguns pontos de atenção ao comprar sapatos online.

Saber a numeração correta dos sapatos

Você sabia que é possível se certificar do seu número de sapato usando uma régua? Pois é! Algumas lojas virtuais, como a Netshoes, disponibilizam, em sua plataforma, tabelas explicativas com a relação entre as medidas e os números de calçado.

Por exemplo: de acordo com a tabela da Netshoes, o ideal para determinar a numeração correta ao comprar sapatos online é medir a palmilha de um sapato confortável. Se a palmilha mede 24 cm verticalmente de uma ponta a outra, a numeração correta para comprar no site é 36.

Avaliar a qualidade do produto oferecido

Sim, o design e a estética do calçado são fatores importantes. Mas, mais do que isso, é essencial ler toda a ficha técnica dos produtos.

Lá, você encontra o material-base para a criação do calçado, tecidos utilizados. sua origem, e acabamentos de sola ou amarrações, conhecendo o produto com uma riqueza de detalhes bem maior.

Checar o valor do frete

Atestando a qualidade do produto e tendo a certeza da numeração correta, já é possível comprar sapatos online com mais segurança. Mas as dicas não param por aí!

Além de conhecer bem o calçado antes de comprá-lo, também é importante ter atenção às regras de compra. Faça uma simulação antes de efetuar a compra e verifique o valor do frete. Em alguns casos, ele é tão alto que praticamente duplica o montante pago pelo calçado!

Conhecer a política de troca

Outro cuidado importante na hora de fazer compras online é conhecer a política de troca. E-commerces pouco profissionais não especificam suas diretrizes para troca e tampouco prestam um suporte eficiente aos clientes que precisam substituir ou cancelar a aquisição.

Mais uma vez, se atente aos detalhes e garanta que a loja para comprar sapatos online tenha uma gestão de troca bem definida.

Verificar as avaliações sobre a loja

Em sites como a Amazon, as avaliações dos vendedores são um dos principais fatores a levar em conta antes de efetuar uma compra.

Que tal adotar essa prática para todas as aquisições online? Com uma breve pesquisa, é possível encontrar relatos de compradores sobre a performance do e-commerce em diversos aspectos: usabilidade do site, política de troca, cumprimento de prazo de entrega e suporte ao usuário.

Já ouviu falar em Cashback?

cashback é um programa de incentivo, por meio do qual a operadora de cartão de crédito devolve uma porcentagem do valor pago no produto. Assim, é possível economizar mesmo fazendo compras. Não é demais?

Para comprar sapatos online, busque lojas como Netshoes,  Centauro, Vans e Nike. São ótimas opções que oferecem cashback em parceria com a Mooba.

Agora você já sabe como comprar sapatos online com segurança e atenção aos detalhes. Que tal assinar nossa newsletter para ficar por dentro de outros assuntos relacionados a compras online e descontos incríveis?

5 dicas para você planejar uma viagem em família inesquecível

Se você pensa em conhecer novos destinos, porém não sabe ao certo como organizar uma viagem em família, é importante entender que algumas questões são consideradas fundamentais para poder desfrutar da melhor maneira da experiência e não ter transtornos no caminho.

A principal delas é começar essa programação com antecedência, a fim de aproveitar melhor as condições que são apresentadas pelo mercado de turismo.

Se você está curioso para saber como fazer um planejamento de viagem em família, basta conferir 5 dicas sobre sobre o assunto e criar o roteiro dos seus sonhos!

1. Planeje com antecedência

Quanto antes você começar a planejar a viagem em família, mais fácil será fechar bons negócios. Por exemplo, é possível guardar o dinheiro necessário até a data de embarcar. As condições tanto para comprar passagens quanto para adquirir ingressos de atrações turísticas também são mais interessantes.

Ademais, a antecedência evita futuras dores de cabeça, uma vez que deixar tudo para a última hora, tendo que decidir os detalhes com pressa, pode fazer com que você escolha mal o destino, não acerte no melhor período para viajar, pague mais pelos serviços e até esqueça algum passo importante do roteiro.

Assim sendo, a fim de evitar tais problemas, basta fazer uma checklist para sua viagem o quanto antes. Veja quanto de dinheiro tem disponível, liste os lugares desejados para visitar e pense em tudo que é necessário para passear com tranquilidade e segurança.

2. Defina o orçamento

O que vai tornar o planejamento da viagem uma realidade é o orçamento. Por exemplo, conhecer um país estrangeiro pode ser um grande desejo até você se deparar com os gastos da viagem em si. Em vista disso, listar todos os custos no papel é imprescindível para saber de suas possibilidades e limites.

Se descobrir que as despesas serão um impeditivo, a viagem dos sonhos pode ficar para o futuro enquanto vocês aproveitam para conhecer lugares mais baratos, concorda? Ao pesquisar opções de destinos, passagens, hotéis e passeios, é possível traçar um plano financeiro mais próximo da realidade e, consequentemente, definir as prioridades.

Considere também outros custos relevantes, como aluguel do carro, se vocês optarem por isso, além de gastos com a escolha de transportes alternativos, tais como ônibus ou táxis.

A alimentação e as compras são outros pontos importantes que não podem faltar no orçamento quando se planeja uma viagem em família. Lembre-se de que viajar sem definir um valor máximo para os gastos é um enorme risco para seu bolso e para sua tranquilidade!

3. Pense em atrações para toda a família

Sabemos que planejar uma viagem em família exige um certo esforço, não é mesmo? Quando se é apenas um casal ou um grupo de amigos da mesma idade, fica mais fácil montar uma programação; porém, quando o assunto envolve os filhos, é necessário organizar atrações que agradem a todos.

A dica para não haver conflitos e não se correr o risco de alguém voltar triste é envolver todos os integrantes na fase do planejamento, desde a escolha do destino até a pesquisa de passeios interessantes e criativos.

Em geral, as viagens acompanhadas de crianças têm parte da rotina ditada por elas. Logo, é recomendado levar em conta tanto o cansaço quanto o pouco interesse delas em relação a algumas atividades. Por exemplo, torna-se mais difícil preencher o dia com excesso de entretenimento, como visitas aos museus da cidade, exposições de arte e até compras feitas em centros comerciais.

Além disso, as pessoas que viajam com crianças desfrutam mais dos benefícios de se hospedar em hotéis com estrutura disponível para esse público. Isso favorece o descanso dos pais e faz com que os pequenos se divirtam mesmo sem sair para passear.

A mesma dica vale para as pessoas que viajam com idosos, pois, muitas vezes, eles não conseguem acompanhar o ritmo dos mais novos, certo? Então, pense em passeios que possam divertir todos os presentes!

4. Organize os documentos

Toda viagem exige o uso de certos documentos básicos, até mesmo o famoso “bate e volta” de carro, que necessita da regularização dos documentos do veículo e de cada pessoa da família.

Já em viagens internacionais, esse tópico merece maior destaque, pois o principal documento é o passaporte. Em alguns países, também vai ser preciso obter o visto de entrada. Ainda, faça uma pesquisa sobre a necessidade de apresentar a carteira de vacinação.

Aqui, o importante é conhecer os detalhes do destino e esclarecer todas suas dúvidas com a companhia aérea antes da data da viagem!

5. Utilize o cashback

Caso algum site queira devolver uma parte do valor que foi gasto na sua compra, não fique desconfiado! O negócio se chama cashback e nada mais é do que um sistema muito usado nos Estados Unidos e, agora, cada vez mais popular no Brasil.

Em inglês, o termo quer dizer, literalmente, “dinheiro de volta”, e o sistema funciona da seguinte maneira: o cliente vai receber de volta uma parte do valor gasto em uma compra por meio de dinheiro ou bônus, creditado pela empresa que oferece o cashback. No entanto, para que isso aconteça, o usuário precisa se cadastrar de modo gratuito no site ou aplicativo da plataforma que oferece o benefício.

Ao fazer uma viagem em família, é vantajoso estar cadastrado em alguma dessas plataformas que prestam o serviço, para poder receber uma porcentagem do seu dinheiro em locais que fazem parceria com ela. Além de lojas, é possível se beneficiar do sistema em restaurantes, hotéis e outros estabelecimentos que já utilizam o negócio.

Ao longo deste post, você pôde conferir quais são as dicas essenciais para planejar a viagem em família e passear com a tranquilidade e o conforto que todos merecem. Agora, reúna a turma, escolham o destino e façam uma excelente viagem!

Gostou do nosso conteúdo? Se você tem interesse em saber mais sobre o sistema de cashback, visite o site da Mooba e esclareça todas as suas dúvidas sobre o assunto. Assim, você vai poder aproveitar todas vantagens. Boas compras!

4 aspectos sobre a reserva de emergência que você precisa saber!

Não há dúvidas de que o investimento deve fazer parte da educação financeira das pessoas. Especialmente daquelas que buscam mais conhecimento na área e por uma vida econômica mais satisfatória.

Nesse cenário, é muito normal a busca por opções mais rentáveis. Quem não deseja adquirir um carro novo, fazer uma viagem, comprar uma casa maior ou até para planejar a aposentadoria?

O fato é que muitas pessoas desconhecem o termo reserva financeira e sua influência nos investimentos. Bom… se você também tem dúvidas sobre o assunto, continue a leitura e aprenda os principais aspectos sobre o tema!

1.O que é reserva de emergência?

A reserva de emergência é aquele montante de dinheiro que precisamos ter à disposição em um momento especial, tal qual uma avaria no carro, perda do emprego ou uma reforma inesperada na casa, por exemplo.

Esse recurso é o que vai garantir que o indivíduo tenha segurança e tranquilidade para saldar seus débitos sem perder o padrão de vida em momentos de dificuldade.

2. Qual o tamanho da reserva de emergência?

A questão dependerá de pessoa para pessoa e do padrão de vida de cada uma delas. Em média, a conta básica são seis meses de despesas cobertas pelo montante.

Então, no caso do indivíduo ter despesas médias em torno de R$ 5 mil mensais, significa o total de R$ 30 mil na reserva de emergência. Entretanto, esse é apenas uma simulação, variando bastante em cada caso.

3.Como investir na reserva de emergência?

Um dos principais requisitos para assegurar a reserva de emergência é a liquidez, tendo em vista que, o dinheiro investido precisa ser acessado de modo rápido na hora da urgência.

Por isso, os títulos de renda fixa em que o investidor aplica seu dinheiro por um período longo ou fundos de investimento com menos liquidez não são as melhores escolhas nesse caso.

Outro tópico relevante é em relação à volatilidade da aplicação financeira. Por se tratar de um recurso para situações urgentes, podendo ser sacado a qualquer hora, o investidor necessita ter aplicações que não apresentem grande volatilidade. Desse modo, o investimento em ativos de renda variável fica descartado para esse objetivo.

4.Qual o melhor investimento para reserva de emergência?

Quando falamos em fundo de emergência, muitos pensam na tradicional poupança, não é mesmo? Contudo, há outras opções que podem ser mais interessantes para aplicar seu dinheiro.

Nos dias de hoje, é possível encontrar investimentos para a reserva de emergência com rendimentos mais atrativos e que são igualmente. Afinal, é mais interessante guardar dinheiro e ainda fazê-lo crescer!

Para ajudar você a escolher a aplicação mais adequada, listamos as melhores para iniciar a sua reserva de emergência. Confira!

  • Tesouro Celic — título público de renda fixa emitido pelo governo;
  • CDB com liquidez diária — emitido pelos bancos com taxas de rentabilidade próximas ou maiores que o CDL; 
  • LCI e LCA — títulos de renda fixa do setor privado. A taxa de rentabilidade é semelhante ao CDB, assim como, o princípio de funcionamento;
  • Fundos de renda fixa — carteiras que investem, no mínimo, 80% do patrimônio em títulos de renda fixa, tal qual o Tesouro Direto.

Gostou do conteúdo?Agora que você já sabe mais sobre reserva de emergência, não deixe de se planejar!