Investimento para iniciantes: como substituir a poupança agora mesmo?

A poupança ainda é a rainha dos corações e mentes dos brasileiros. Segundo pesquisa da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), entre os brasileiros que têm algum tipo de investimento, 88% colocam seu dinheiro na poupança. O problema é que ela rende pouco e, por vezes, perde até da inflação.

Assim, na prática, você pode até mesmo acabar com menos do que aplicou. No entanto, o mercado financeiro oferece um vasto leque de aplicações e, mesmo para quem está iniciando nesse mundo, existem opções muito melhores do que a poupança.

Neste post vamos ver alternativas de investimento para iniciantes nesse universo e como ter acesso a eles de forma prática e rápida. Acompanhe!

Quais são os tipos de investimento indicados para iniciantes?

Quem está dando os primeiros passos em qualquer coisa que seja deve ser cauteloso, afinal, você ainda não tem pleno domínio do assunto e não conhece todos os riscos. Justamente por isso deve escolher aplicações de baixo risco, que são aquelas cujos rendimentos são conhecidos e cujas chances de você não receber o combinado são muito pequenas.

Vamos ver algumas opções com essas características.

CDBs

Os CDBs são títulos de renda fixa emitidos por bancos. Na prática, você está “emprestando” dinheiro para a instituição financeira e, em troca, ela paga uma taxa de juros a você. A lógica é a mesma de quando você solicita um empréstimo, só que, nesse caso, o credor é você.

Existem CDBs prefixados, ou seja, em que você sabe exatamente quanto vai receber já no ato da aplicação, e pós-fixados, em que os rendimentos estão ligados a algum índice de referência, que normalmente é o CDI. Trata-se da taxa de juros que os bancos praticam nos empréstimos entre si e que é muito próxima da Selic, a taxa básica de juros do país.

Uma das vantagens dos CDBs é que eles contam com a garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), um mecanismo que reembolsa o investidor em até R$ 250 mil por CPF por instituição financeira em caso de quebra da instituição.

Tesouro Direto

Aqui, em vez de emprestar dinheiro para o banco, você vai financiar o governo federal comprando títulos públicos. Da mesma forma, vai receber uma remuneração por isso. Atualmente, o governo vende três tipos de títulos:

  • Tesouro Prefixado;
  • Tesouro Selic, que é um título pós-fixado atrelado à Selic;
  • Tesouro IPCA+, cujo rendimento é composto de uma taxa prefixada e outra que acompanha o desempenho do IPCA, o índice oficial de inflação do país.

Fundos de investimento DI

Os fundos de investimento DI são aqueles que aplicam pelo menos 95% do patrimônio em títulos públicos federais ou títulos privados de baixo risco. São uma boa opção de investimento de baixo risco, desde que se observe a taxa de administração praticada.

Evite taxas acima de 1% ao ano, pois elas corroem seu rendimento, fazendo com que o investimento deixe de fazer sentido.

Como aplicar nesse tipo de investimento?

Para ter acesso a uma prateleira diversificada de investimentos, é preciso abrir uma conta em uma corretora de valores. Existem várias no mercado e atualmente o processo é rápido e totalmente digital.

Os grandes bancos oferecem aos seus clientes CDBs e Fundos DI, mas nem sempre têm as melhores condições, de forma que é mais interessante procurar uma corretora digital. Os títulos do Tesouro Direto, por sua vez, são negociados apenas pelas corretoras.

Todas essas opções oferecem rentabilidade melhor do que a poupança e são ótimas opções de investimento para iniciantes. Agora, aproveite o dinheiro que você recebe de cashback para investir e multiplicar seu patrimônio!

Gostou das dicas? Aproveite para seguir nossos perfis nas redes sociais e ficar sempre por dentro das últimas novidades! Estamos no Facebook, Twitter e LinkedIn!

Deixe uma resposta

Seu email nunca será publicado. Campos obrigários são marcados com *